sexta-feira, 7 de junho de 2013

VINDAS DO MAR



São coisas vindas do mar.
Ou doutra estrela.
Seixos, ouriços, astros
pequenos e vagabundos, sem bússola,
sem norte, os passos incertos. Pouco
se demoram. Como a felicidade.
Seguem outra canção, outra bandeira.
Tudo isso os olhos traziam.
Do mar. Ou doutra idade.
 
 
EUGéNIO DE ANDRADE
In Os Sulcos da Sede