sábado, 26 de abril de 2014

TRANSFORMAÇÕES




Sobre o leito frio, 
sou folha tombada 
num sereno rio. 
Folha sou de um galho 
onde uma cigarra, 
nutrida de orvalho, 
rasgou sua vida 
em música – ao vento – 
desaparecida... 

Sobre o leito frio, 
sou folha e pertenço 
a um profundo rio. 
(Pela noite afora, 
vão virando sonho 
músicas de outrora...) 


Cecília Meireles
In: Mar absoluto -1945-