sexta-feira, 2 de agosto de 2013

CAVALINHOS DO MAR



O teu silêncio é ave noturna, pupila
que de remotas torres vigia -

dos filhotes, já os trêmulos augúrios,
dos amantes, a fome de rapina.

Tem algo abissal o teu silêncio,
pérola onde toda luz engasta -

dos cavalos do mar, as líquidas crinas,
das dorsais do oceano, a geometria do assombro,
o sólido frontal encanto.

Atos litúrgicos, iluminuras, litanias,
o teu silêncio é ainda espargido incenso -

cinza imemorial e odora -
nave dos dissensos que ergui.

(Melhor te amariam os olhos
que distraídos de mim te vissem.)

FERNANDO CAMPANELLA