quinta-feira, 8 de agosto de 2013

CORUJA



Vôo onde ninguém mais - vivo em luz
mínima
ouço o mínimo arfar - farejo o
sangue
e capturo
a presa
em pleno escuro.


Orides Fontela,


in Trevo