quinta-feira, 21 de novembro de 2013

PARA QUE NUNCA MAIS ME RECONHEÇAM



Permaneço no lugar em que os relâmpagos
se incendeiam rente à montanha
e deixo que a terra me seduza.
Depois, posso descer o rio, exausta e frágil,
com o corpo embrulhado nas raízes das giestas
e a boca marcada pelo fogo,
como um sinal de alarme,
para que nunca mais me reconheçam.

Graça Pires
De Conjugar afectos, 1997