quinta-feira, 5 de junho de 2014

O POEMA




Uma formiguinha atravessa, em diagonal,
a página ainda em branco. Mas ele, aquela
noite, não escreveu nada. Para quê? Se por
ali já havia passado o frêmito e o mistério
da vida...

Mario Quintana,
in Sapato Florido