sexta-feira, 18 de outubro de 2013

ATLÂNTICO





Este mar largo e longo, e denso e fundo,
venho-o singrando desde o instante grave
em que o avô marinheiro, em frágil nave,
se foi por ele a descobrir o Mundo.

Este mar me tornou mais bela e suave
a vida, e o sentimento mais profundo.
Nele encontrei do meu mistério a chave.
Todo o meu longo canto é dele oriundo.

Agora os ventos vivos da alegria
tombaram. Sobre as ondas, lenta e fria,
se estende a noite. E já meus olhos cegam.

Mas pela equória vastidão plangente,
à procura do porto inexistente,
meu desejo e meu sonho ainda navegam.

Tasso Da Silveira
Poemas De Antes