sexta-feira, 25 de julho de 2014

LEGENDA DA VIDA E DO SONHO




No meu fogão pobre não ardia uma brasa,
do meu teto humilde não pendia uma lâmpada,
nenhuma estampa sorria nas paredes nuas do meu 
tugúrio.

Então, eu saí para a noite,
que estava toda iluminada !


Tasso da Silveira
Canções a Curitiba
& outros poemas