sexta-feira, 18 de julho de 2014

OS ELEFANTES



Os brancos elefantes
vão passando, passando, vão passando.

(Não foi ao funda da planície milenária
do velhíssimo Oriente:
foi não fundo do sonho).

Em passadas tranquilas e passantes,
na estrada morta, a areia humílima pisando.

(não foi no mundo efêmero:
foi num conto de Kipling)

os brancos elefantes
imortalmente vão passando ...


Tasso da Silveira
in Poemas de antes