sexta-feira, 3 de outubro de 2014

CAMPO




Campo da minha saudade:
vai crescendo, vai subindo,
de tanto jazer sem nada.

Desvelo mudo e contínuo
que vai revestindo os montes
e estendendo outros caminhos.

Mergulhada em suas frondes,
a tristeza é uma esperança
bebendo a vazia sombra.

Águas que vão caminhando
dispersam nos mares fundos
mel de beijo e sal de pranto.

Levam tudo, levam tudo
agasalhado em seus braços.

Campo imenso - com o meu vulto...

E ao longe cantam os pássaros.


Cecília Meireles,
In Mar Absoluto e Outros Poemas (1945)